DOI: http://dx.doi.org/10.25188/FLT-GaleriaTeologica(eISSN2595-1971)v1.n2.2017.p168-233

RESUMO

Os textos bíblicos tiveram sua origem numa realidade distante da nossa, contudo, não cessaram de falar ao longo de toda a história para dentro dos diferentes contextos e ocasiões. A exegese é o empreendimento na busca de resgatar o sentido do texto lá no seu ambiente original com suas características e fatos e contextualizá-lo para nosso momento histórico e nossos questionamentos atuais. A presente pesquisa exegética estudou a perícope de 1 Pe 1.13-16 em sua construção textual, analisando gramaticalmente e formalmente o texto; no seu contexto literário e histórico, refletindo sobre sua importância na primeira carta de Pedro e interpretando-a a partir do seu Sitz im Leben; e interpretou-a a partir da intertextualidade bíblica, crendo que as Escrituras interpretam a si mesmas. Por fim, buscou-se ouvir o que a perícope fala para nosso tempo. Percebeu-se nela uma admoestação aos cristãos em geral focada no tema do comportamento, do procedimento de vida. O autor da carta pede aos destinatários, pagãos convertidos, um comportamento de obediência que implica total ruptura com o estilo de vida anterior à fé. O novo estilo de vida é sóbrio e se sustenta na esperança da Revelação final de Cristo. O autor de 1 Pedro sustenta sua argumentação numa citação de Levítico, a qual interpreta e aplica aos seus leitores, chamando-os à santidade pelo fato de serem escatologicamente convocados por um Deus que é santo. Essa santidade não é, portanto, um atributo transcendente, mas uma realidade que deve ser vivida por aqueles que aguardam a volta de Cristo.


PALAVRAS-CHAVE

1 Pedro. Santidade. Comportamento. Escatologia.

BRUNO HINTZ


Estudante do 5º semestre do Curso de Bacharelado em Teologia na Faculdade Luterana de Teologia – FLT. E-mail: bruno.hintz@flt.edu.br.